Palestra a INTENTONA COMUNISTA DE 1935 Imprimir
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
História

Palestra a INTENTONA COMUNISTA DE 1935 realizada no dia 26 Nov 2013 no auditório do Marina Park Hotel, em Fortaleza, pelo Gen Manoel Theophilo, Presidente do Instituto Endireita Brasil, para mais de 100 oficiais e praças da ativa e da reserva 

INTRODUÇÃO

Estamos hoje reunidos para abordarmos um acontecimento histórico ocorrido há quase 80 anos. Surge a pergunta, porque fazê-lo. Eu respondo, por que quem conhece a história estará livre de cometer os mesmos erros e usar a experiência dos outros para melhorar seu próprio desempenho. Portanto esta palestra só terá valor se podermos tirar ensinamentos para nossas vidas, para o Exercito e para o Brasil atual.

Para que isto seja possível devemos abordar como era o Brasil e Exercito naqueles tempos, ver os antecedentes. Para tanto abordaremos rapidamente os movimentos tenentistas e o Estado Novo. Falaremos de como foi a frustrada tentativa comunista de tomada do poder e chegaremos as nossas conclusões para os dias hodiernos.

Como estamos numa instrução militar, não me furtarei a realizar uma Introdução, que já estou terminando, faremos um desenvolvimento do acima explicitado e terminaremos, colocando no final algum tempo para dúvidas.

DESENVOLVIMENTO

ANTECEDENTES

Uma das causas do movimento de 15 de novembro de 1889 foi a questão militar.

O descaso político para com o Exercito, desmobilizado após a guerra do Paraguai, levara nossas tropas a uma situação aflitiva de baixos soldos, sem verbas para a instrução ou para modernização de seu material bélico.

O Movimento que seria apenas para derrubar o gabinete político, foi habilmente aproveitado pelo Maj Benjamim Constant, professor da Escola Militar que motivara a oficialidade jovem para a proclamação da Republica. Esta porem em nada melhorou a situação militar. Pelo contrario, as eleições viciadas, com voto aberto e de apenas uma pequena minoria, facilitava a perpetuação no poder dos mesmos políticos corruptos e de seus apaniguados.

No inicio da década de vinte, após mais de 30 anos da proclamação da nova forma de governo, já era latente o descontentamento militar com uma situação que pensavam que seria mudada com a Republica. Pensavam os tenentes em mudar o País.

No âmbito internacional, terminara a primeira grande guerra e houvera a revolução russa. Nesta, a revolta da população depôs o Czar. Após isso, uma minoria, os bolcheviques tomam o poder dos mencheviques e impõe uma cruel ditadura. Procuram espalhar para o mundo seu ideário criando o Movimento Comunista Internacional (MCI), onde pregam o fim do patriotismo e adesão à luta para impor o governo comunista no mundo todo. O lema criado por Lenin "Operários do mundo todo, uni-vos", vai repercutir no Brasil. Observem a minoria organizada impondo seu pensamento sobre a maioria.

Neste clima de desprestigio do Exercito aparece um grande patriota que vai iniciar uma cruzada pelo Serviço Militar Obrigatório, foi o poeta Olavo Bilac. O governo procurava denegrir a Instituição, o Pres do Clube Militar, Mar Hermes da Fonseca, assume uma posição contestatória ao governo. É preso e o Clube fechado por seis meses.

Aí já notamos uma enorme diferença de posicionamento do Clube Militar de hoje para o de antanho.

Os Chefes Militares não reagem com a prisão do velho Marechal. Este é outro problema que precisamos estar atentos, não deixar nossos combatentes desamparados.

Isto foi o estopim para irromper uma revolta no forte Copacabana, na madrugada do dia 05Jul22. Este bombardeia o 3º RI, sediado na Praia Vermelha, a mais forte unidade militar da guarnição e o Palácio Duque de Caxias, sede do Ministério da Guerra. O governo determina que a Marinha e as tropas do exército combatam os revoltosos. O Forte é atacado por dois encouraçados e alguns hidroaviões navais.

Após horas de intenso tiroteio e para evitar a destruição total do Forte, os 29 sobreviventes, capitaneados pelo tenente Siqueira Campos, saem para enfrentar as tropas legalistas em campo aberto. Quanta bravura! São todos mortos ou feridos.

Nesta época é criado no país o Partido Comunista que adere a III Internacional Socialista. Esta prega o fim do patriotismo e o luta armada para atingir seus fins.

Em 1923 inicia-se no RS uma revolução para depor o presidente da província, Borges de Medeiros, que já estava a 20 anos no poder. Após combates entre as tropas revoltosas e civis que se alistaram contra a potente Brigada Militar, o governo intervém. A paz é restabelecida. Quero alertar para outro perigo que vivemos hoje, o fortalecimento de polícias federais em detrimento do fortalecimento ao Exercito.

Como a situação militar em nada havia mudado e nem a política corrupta, irrompe nova revolução em 1924, desta vez em SP. Liderada pelo Maj Miguel Costa e Cap Joaquim Tavora eles tem os mesmos ideais dos revoltosos de 22, tanto que a revolução inicia no mesmo dia, 05Jul. Após três meses de luta renhida contra as tropas legalistas, onde morre o Cap J. Távora, iniciam uma marcha por todo o interior brasileiro. O comandante é ainda o Maj M. Costa e o Chefe de Estado Maior o Cap Luis Carlos Prestes. Depois de três anos e percorrer quatro mil léguas, por 13 estados, sempre perseguida por tropas legalistas, foge para a Bolívia.

Apesar de todos estes movimentos os políticos continuam insensíveis e mantém os mesmos procedimentos viciados.

Na eleição de 01Mar30, o candidato situacionista, Julio Prestes, apoiado pelo Presidente Washington Luis, vence o pleito, como sempre ocorria. Assume no dia 15Nov sem dar ouvidos ao clamor cívico-militar.

A revolta se inicia no RS no dia 03Out, seguida por levantes em MG, SP, BA e PA que se deslocam para o Rio. Vitoriosa, assume o poder um gaúcho, Getulio Vargas, acabando o circulo vicioso entre MG e SP, a política Café-com-Leite. Observem que após oito anos de revoltas os políticos não queriam abandonar as mamatas a que estavam acostumados, até que foram finalmente expulsos pela força.

É interessante que todos conheçam a história dos dólares de Moscou. Getúlio tentando fortalecer a revolução procura o apoio de Carlos Prestes que morava na Argentina. Manda-lhe em janeiro de 1930 "oitocentos contos de reis (cerca de 80.000 dólares para que se juntasse aos revoltosos. Traiu a Getulio e os ideais da Coluna . Ficou com o dinheiro e o mandou para Moscou, comprando a sua entrada no PC da URSS e ganhando um apto para morar na capital russa. Leiam CAMARADAS de William Waach e também OURO DE MOSCOU de Isidoro Gibert.

Siqueira Campos viajou para Buenos Aires para tentar lembrá-lo dos ideais pelos quais tanto lutaram. Tudo em vão. Siqueira Campos morre num acidente de avião ao retornar para o Brasil. Terrível perda.

O objetivo comum é acabar com a carcomida política da Republica Velha, com leis sociais e o voto secreto. Devido as suas leis em favor dos desassistidos, Getúlio vai ficar conhecido pela alcunha de "Pai dos Pobres". Impõe interventores, quase todos eles ex-tenentes, nos mais diversos estados.

Governando de modo ditatorial sem ter respeitar nenhuma lei, sofre a oposição de SP, onde se desencadeia uma revolução em 1932, mal planejada, sem articulação com os outros estados e puramente defensiva, estava fadada a derrota, embora com lances de heroísmo e bravura de ambos os lados.

Apenas em 1934 Vargas vai outorgar uma nova Constituição.

Quero observar que esta forma de solução dos problemas políticos através de revoluções não se coaduna com a realidade de hoje, onde se deve pugnar no campo das idéias, das comunicações e do psico-social.

È preciso entender que dois verbos usados MUDAR E DESENVOLVER são parecidos, mas de aplicação diversa no campo político. Mudar normalmente é pela força, guilhotina, morte (comunismo 160 milhões de mortos) e Desenvolver é o uso da inteligência, é paulatino e convence.

No âmbito internacional o mundo estava dividido entre duas ideologias totalitárias, ambas defensoras de um estado forte. De um lado o nazismo e do outro o comunismo.

As repercussões no Brasil foram a criação do PC em 1922 e o movimento Integralista em 1932. O primeiro buscava conquistar a classe operaria e os praças, o segundo a classe media. Os comunistas eram liderados por Prestes desde 1930 e os integralistas por Plínio Salgado que tinha como lema "Deus, Pátria e Família". O primeiro era internacionalista e o segundo nacionalista.

Deste choque de posições e sentindo perder apoio popular, o PC, cumprindo ordens do MCI, resolve desencadear um movimento armado para tomada do poder.

A INTENTONA COMUNISTA

Baseado na experiência russa, os comunistas acreditavam que poderiam dividir o Exército entre tenentes/praças e oficiais e que aqueles poderiam tomar o comando e dominar os quartéis. Assim, em 23 Nov 35, aproveitando-se do meio expediente, alguns sargentos do 21º BC, sediado em Natal, apoiados pela guarda, invadem o quartel, prendem o oficial de dia e roubam o armamento e munição. Distribuídas estas armas entre cabos, soldados e civis,iniciam o combate contra o quartel de policia, onde estavam os oficiais, que derrotados, são presos e inicia-se o primeiro e único governo comunista no Brasil. Saques, assassinatos, estupros e baderna generalizada são a tônica destes primeiros dias. Os revoltosos saem em três colunas para conquistar o restante do estado. A reação veio do Seridó, capitaneada por Dinarte Mariz, que embosca os revoltosos com seus jagunços bem treinados e os derrota. Três dias após o inicio, tinha terminado o Governo Comunista.

Aqui temos dois ensinamentos. O primeiro deles, os oficiais não conheciam seus praças, o que pensavam, quem eram e em que acreditavam. O segundo é que a reação só foi possível porque não havia uma lei de desarmamento que impedisse que cidadãos de bem portassem armas.

Enquanto isto acontecia em Natal, no dia 24 Nov, eclodia a revolta em Recife no 29º BC. Esta liderada por dois tenentes, com apoio dos praças, tenta tomar o quartel, mas encontra feroz oposição dos oficiais refugiados no Pavilhão de Comando. Enquanto uma parte fica neste combate, os demais partem para a conquista da cidade.

Neste meio tempo o 22º BC, de Maceió, e uma Bia da Paraíba, chegam a Recife para dar combate aos revoltosos que se espraiavam pela cidade. Os canhões da artilharia, atirando em alça zero, dizimam os revoltosos e contabiliza ao final do movimento mais de setecentos mortos, entre civis e militares. Foi o mais sangrentos dos episódios com mais de setecentos mortos.

A intentona no Rio só veio começar no dia 27 Nov, no 3º RI, sediado na Praia Vermelha. Com um efetivo de quase dois mil militares, foram liderados pelo Cap Agildo Barata, que cumpria prisão no aquartelamento.

Deve-se ressaltar que desde o dia 23, o quartel estava em prontidão rigorosa, com todo seu pessoal aquartelado e armado. Volto a frisar a importância de se conhecer seus subordinados. Havia um distanciamento incrível entre a oficialidade e os praças (será que existe ainda hoje?) e um desconhecimento das ideias de cada militar.

Vocês têm conversado com seus subordinados? sabem das necessidades de cada um?, Quem é casado, separado, quantos filhos? Saber disso é ser líder.

Os revoltosos dominam e lideram varias companhias, pois mataram seus comandantes enquanto dormiam, abolindo a palavra mais cara o dicionário militar, CAMARADAGEM. As CiaMtr do 1º e do 2º Batalhão mantém-se fiéis aos seus comandantes, estes sim eram verdadeiros chefes.

A batalha dentro do Regimento permite a chegada das tropas da Região apoiadas pelo 1º Grupo de Obuses. Repete-se o que ocorreu em Natal, realizando o tiro direto, vai metodicamente destruindo todos os abrigos, o que leva a rendição dos amotinados.

Na Vila Militar a sublevação ocorreu na Escola de Aviação do Exercito, no Campo dos Afonsos, mas foram dominados pelo TC Eduardo Gomes, comandante do 1º Regimento de Aviação, reforçado pelo 2º Regimento de Cavalaria, Regimento Andrade Neves.

Assim terminava esta nódoa na historia do EB, onde irmãos de arma assassinaram companheiros que dormiam a seu lado e provocaram a luta e a discórdia, abolindo a palavra camaradagem.

Este fato, no entanto, alertou os lideres políticos e militares para as mudanças que deviam ser efetuadas.

Por outro lado, os comunistas procuraram tirar ensinamento de seus erros para nova tentativa de tomada de poder. Viram que sem o apoio do poder político nada conseguiriam e assim voltam a tentar por outro via. Desta feita o governo lhes cai nas mãos em 1961 com a renuncia de Janio Quadros e a posse de João Goulart na presidência, enquanto tinha Leonel Brizola no governo do RS e Miguel Arraes em PE, mas isto é outra história.

CONCLUSÃO

A primeira coisa a se ressaltar é o conhecer seus liderados.

Vejam que desde a Proclamação da Republica este erro se repete. O Mar Deodoro da Fonseca é envolvido pelo Maj Benjamin Constant e o que era para ser a derrubada de um gabinete, transforma-se na Republica que não resolveu os problemas aflitivos que viviam os militares e a sociedade brasileira

As revoltas tenentistas ocorreram porque os chefes não sabiam o que se passava na tropa e a Intentona Comunista ressalta este descaso dentro dos próprios quartéis, onde os tenentes não conheciam seus sargentos e os oficiais mais antigos não conheciam os mais modernos.

Conheçam seus subordinados, o que pensam,conheçam suas famílias, seus problemas financeiros, sociais e sentimentais. Saibam o que fazem e o que pensam fora das paredes do quartel. Sejamos UNIDOS.

Outro problema que salta aos olhos é o fosso entre oficiais e praças. Este fato só se agravou. Nas revoltas tenentistas, os praças iam com seus chefes imediatos. Na Intentona Comunista, os praças lideraram algumas revoltas contra os oficiais. Hoje, com está? Os praças são nossos irmãos? Conversamos com eles, fazemos churrascos juntos, temos o mesmo clube, almoçamos no mesmo lugar? È preciso ter sempre em mente a LEALDADE. A traição SÓ EXISTE QUANDO DEIXA DE HAVER CONFIANÇA MÚTUA. LEMBREM-SE: VESTIMOS A MESMA FARDA E AMAMOS O MESMO BRASIL.Finalmente o ultimo grande ensinamento é sobre a conjuntura internacional.

Esta já afetava o Brasil quando as comunicações eram precárias e difíceis. Agora isto ocorre com muito mais rapidez. A luta entre nazismo e comunismo foi substituída pela entre Capitalismo e Comunismo, agora é entre a democracia e o populismo.

Este já dominou vários países sul-americanos.

Que estamos fazendo para nos opor ao populismo desagregador, incentivador do racismo, da luta de classes e da desordem, de modo que eles não venham a se perpetuar no governo brasileiro?

Concluindo poderíamos lembrar a DIRETRIZ do Gen Castello Branco, talvez o maior estadista brasileiro. "MANTER A TODO CUSTO A CADEIA DE COMANDO. SEM HIERARQUIA, SEM DISCIPLINA ESTAMOS CAVANDO A NOSSA SEPULTURA. TODOS OS CHEFES DE HOJE SÃO FORMADOS NA MESMA ESCOLA QUE CURSAMOS ONTEM".

HONRA AOS QUE TOMBARAM EM 35.

HONRA AOS COMPANHEIROS que venceram a guerra suja iniciada pelos comunistas com o atentado terrorista no aeroporto dos Guararapes.

Honra aos companheiros DE HOJE QUE LUTAM PELA DEMOCRACIA – PELA VERDADE E MOSTRAM AOS SUBORDINADOS O CAMINHO DO DEVER