Inspiração petista nos velhos camaradas Imprimir
Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 
Política

Inspiração petista nos velhos camaradas

Por Daniel Camargos

A Fundação Perseu Abramo – instituto político e de estudos do PT – produziu uma cartilha de 15 páginas cuja capa remete aos cartazes do período em que Josef Stalin comandou a antiga União Soviética e também às imagens produzidas na propa­ganda da Revolução Cultural, quando Mao Tsé-Tung radicali­zou a campanha política e ideo­lógica para se firmar como ditador e manter o comunismo na Chi­na.

A imagem petista foi feita para comemorar os 10 anos do partido no poder no Brasil, somando o período de Lula e de Dilma Rousseff como presidentes. O ápice das festividades foi ontem num megaevento realizado em São Paulo.

"A imagem dos dois presidentes (Dilma e Lula) com a massa de trabalhadores embaixo e uma bandeira (do Brasil) acima é típi­ca do culto à personalidade vi­gente na União Soviética até 1956, quando Stalin morreu. Quando Nikita Khrushchov assumiu o poder, houve a condenação a essa prática. A estratégia tam­bém foi utilizada por Mao Tsé-Tung entre 1966 e 1973, no perío­do da 'Revolução Cultural', quan­do o líder chinês entrava em uma época de ostracismo e houve um culto muito forte à sua personalida­de", como detalha o doutor em sociolo­gia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) Rodrigo Wolff Apolloni, especialista em cultura chinesa e autor de estudos sobre pôsteres e cartazes.

Coincidentemente, o PT tam­bém vive um momento de crise. No fim do ano passado, líderes do partido foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por terem participado do escândado do mensalão. Entre eles estão no­mes importantes do partido, co­mo o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-presidente do partido José Genoino.

Na China, explica Apolloni, os cartazes tinham tiragens imen­sas e eram onipresentes, previam um futuro brilhante para o país comunista e representavam o lí­der, Mao, como uma espécie de super-herói. O cartaz petista tam­bém destaca Lula e Dilma com o olhar para o futuro. Tem a ban­deira do Brasil, um punho cerra­do, trabalhadores e militantes do partido. Ao fundo várias casas, com desenho semelhante às construídas com verbas do go­verno federal do 'Minha Casa, Mi­nha Vida', um dos principais pro­gramas da presidente Dilma Rousseff. Há também o símbolo do partido e o slogan: "PT 10 anos de governo. Do povo. Para o po­vo. Pelo povo".

O designer e professor da Uni­versidade de São Paulo (USP) Chi­co Homem de Melo, autor de li­vros sobre o tema, também per­cebe a semelhança entre os carta­zes soviéticos e chineses e a peça produzida pelo PT. Ele analisou o cartaz petista e diz que a ideia da liderança dupla, com um ho­mem e uma mulher, é típica dos países comunistas. Outro ponto característico é a imagem do pu­nho cerrado, que no cartaz petis­ta é uma sombra entre Dilma e Lula. O professor também desta­ca os trabalhadores e militantes segurando bandeiras. "São ícones da esquerda", explica.

Simbologia ultrapassada e desmoralizada mostra saudosismo dos comuno-petistas.

Ontem, os administradores da página do ex-presidente Lula no Facebook postaram a imagem petista e a apostila de 15 páginas. "Hoje é dia de comemorar os 10 anos de governo 'democrático e popular'. Conheça o material que a Fundação Perseu Abramo pro­duziu sobre o decênio que mu­dou o Brasil" (???) informa o texto postado. A página do ex-presi­dente tem mais de 300 mil fãs na rede social.

Para descobrir o autor da ima­gem petista é preciso vencer bar­reiras da burocracia semelhantes às de países comunistas. A asses­soria de imprensa da Fundação Perseu Abramo informa que a entidade fez apenas o texto e que a capa foi idealizada pelo diretório nacional do PT. A assessoria de imprensa do PT disse que a in­formação estava com a Secretaria de Organização (SEORG) do parti­do. Na SEORG, o caminho indicado foi o gabinete do presidente do PT, Rui Falcão. Lá, soube-se final­mente que a imagem foi produ­zida pela equipe do publicitário João Santana, mentor das campa­nhas do governo federal e 'marketeiro' que trabalhou na eleição de Dilma. "Achamos plasticamente bonito", disse um funcionário da equipe do Rui Falcão.

COMENTÁRIO DE FRANCISCO VIANNA

Na realidade, os petistas desenvolvem no Brasil um novo tipo de socialismo, que eu costumo chamar de SUCIALISMO. Isto mesmo que o neologismo quer dizer, ou seja, um regime socialista de SÚCIA, DE QUADRILHAS, de compadrio e afinidades ideológicas no aparelhamento do estado para a quase única finalidade, além da de se eternizarem no poder: a do ENRIQUECIMENTO ILÍCITO.

Tirar essa rede de gangues do poder pode ser uma tarefa muito árdua e custar ao povo brasileiro muito sangue, suor e lágrimas. A história tem mostrado isso claramente.