Retrato do Brasil hoje PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
Política

Triste realidade! não sei de quem é a autoria, mas é bem por ai mesmo.

José foi assaltado. Levaram o carro dele. Ao chegar em casa de táxi, ele imediatamente assumiu a culpa pelo roubo: "eu dei bobeira, não deveria ter parado naquele semáforo".

Maria foi estuprada, e quase morreu.

Ao prestar depoimento, ela deixou bem clara sua responsabilidade pelo episódio: "eu vacilei, não deveria ter ido comprar pão sozinha".

Um ladrão arrancou o telefone celular das mãos de João enquanto ele atendia uma ligação. Ele - o João, e não o ladrão - assumiu total culpa pelo crime: "eu não sei onde estava com a cabeça quando fui atender uma ligação no meio da rua".

Maria foi morta durante um assalto. Ela gritou e acabou levando um tiro. Por ocasião de seu enterro, Maria foi condenada por todos os presentes: "que estupidez dela ter gritado, todo mundo sabe que durante um assalto o melhor é ficar em silêncio".

Mário, um dedicado Policial Militar, foi morto a tiros por traficantes do morro no qual morava. Seus familiares, entrevistados por um jornalista, o recriminaram duramente: "ele sempre foi cabeça-dura, nunca quis esconder a farda quando voltava para casa".

No mesmo morro Paulo, um líder comunitário, foi esfaqueado até a morte pelos mesmos traficantes. Seus amigos o criticaram ferozmente: "que falta de juízo, procurar a Polícia para denunciar que o crime estava dominando o morro".

Marcos teve sua loja assaltada, e quase levou um tiro. Seus empregados reclamaram dele: "que estupidez, deixar aquele monte de mercadoria exposta na vitrina". Marcos passou a deixar tudo trancado em um cofre. Mas a loja foi assaltada de novo e um de seus funcionários, após quase levar um tiro por ter demorado a abrir o cofre, agrediu-o violentamente: "seu miserável, fica trancando tudo, mais preocupado com as mercadorias do que com a gente, e quase levamos um tiro por sua causa".

Carlos estava jantando com sua namorada em um movimentado restaurante quando uma quadrilha armada saqueou todos os clientes. Seu futuro sogro não gostou: "este rapaz é um irresponsável, ele sabe muito bem que não estamos em época de ficar bestando por aí, jantando fora, e acabou passando por um assalto e traumatizando minha filha".

Joel entrou em um subúrbio com o caminhão da empresa para entregar pacotes de biscoito nos bares de lá. Após ter tido os produtos e o caminhão roubados, e quase ter sido morto, foi despedido por seu chefe: "que sujeito burro, ir com o caminhão lá naquele bairro sem pedir licença para o líder do tráfico local".

Patrícia viajou a negócios. Desembarcou no aeroporto com seu "notebook" e tomou um táxi. Não conseguiu andar dois quarteirões -- foi assaltada em um semáforo. Na empresa, foi imediatamente repreendida: "você não poderia ter desembarcado sem antes esconder o "notebook", deste jeito você pediu para ser assaltada".

E é assim, de exemplo em exemplo, todos já fazendo parte do nosso cotidiano, que vamos chegando a uma verdadeira "rotina do absurdo". Aqui no Brasil é tão normal um cidadão ter medo de andar pelas ruas, é tão comum um policial ter que esconder sua profissão para não morrer, é tão usual pessoas terem que pedir permissão a traficantes para subir em morros e é tão rotineiro abrir-se mão da cidadania mais básica que já não causam surpresas as vítimas estarem se transformando em culpadas pelos crimes.

Diante desta tenebrosa realidade, patrocinada pela fraqueza e falta de firmeza (e cumplicidade) das autoridades, talvez já não nos cause surpresa ver um rabo abanando um cachorro...

De fato esse processo de emasculação do brasileiro está tão avançado que as pessoas passam a se achar culpadas e não vítimas. A sociedade é dirigida por vampiros e o povo está sendo treinado para doar sangue.

Cabe a nós fazer o contraponto e reverter esse processo maligno (se der tempo).

 

 

Registre-se para poder enviar comentários

Free premium joomla themes designed by Lonex.