"Meos cumpaero!" PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 6
PiorMelhor 
Política

Por Aileda de Mattos Oliveira*

A primeira Constituição da República, de 1891, não permitia o voto do analfabeto. Vedada a sua participação no sufrágio para a escolha dos dirigentes da Nação, impossível, então, candidatar-se a algum cargo eletivo.

A Primeira República engatinhava, mas compunha-se de políticos cultos e não entreguistas. Homens que lutavam por causas, e não por coisas.

Ao contrário, a atual República abriga, no seio maternal, o mais apátrida e corruptor grupo de malfeitores e depredadores da Nação. "Anões políticos", como são conhecidos internacionalmente.

Tiremos o chapéu aos romanos, pela precisão das palavras e de seus correspondentes significados, reflexos delas. Companheiro ('o que come do mesmo pão') indicava solidariedade entre amigos. Não é que o PT a elegeu para designar os seus rapaces membros?

Nem essa palavra escapou à habitual ação de subtrair do líder da raposada. A voz engrolada do "nosso guia", como o bajula Celso Amorim, arrancou dela algumas letras e, mutilada, tornou-se "cumpaero". Divisão do pão individual? Nem pensar! De imediato, socializou o negócio pela multiplicação do pão federal. Daí, a enxurrada de novos ricaços no país.

Culpa da dúbia letra da Constituição de 1988, batizada por Ulysses Guimarães, de "Cidadã". No Capítulo IV, Artigo 14, § 1.º, Inciso II, Alínea a), diz que é "facultativo" o voto dos analfabetos, certamente, não como um democrático direito equitativo, mas como uma porta aberta às manobras políticas futuras.

Enredado pela orgia de promessas, o iletrado acaba cumprindo o seu dever facultativo de cidadão e, coagido pelas artimanhas dos candidatos, entrega-lhe o voto em troca de alguns mimos e de um abraço debochado, mas vitorioso.

No mesmo Capítulo, no § 4.º, determina que "São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos". Se a Constituição valesse, Lula teria sido um presidente inconstitucional, a menos que se considere dentro das exigências aquele que assina o próprio nome.

Assim, iguais a seus potenciais eleitores, os sem luzes candidatos, porém, nutridas raposas, são eleitos e reeleitos à custa de absurdas falácias e do desrespeito à letra da lei, chamada Carta Magna.

Essa é a razão da existência de um ex-presidente Lula, o 'Colete de Aço', blindagem que o protege das leves 'plumas' da lei e que afirmou, com ar de deus fanfarrão, se fosse nascido em 1500, teria descoberto o Brasil. Será isto coisa de alfabetizado? A soberba desse indivíduo merece um analítico estudo de um psiquiatra.

Pode estar certo, Lula, de que você esteve por essas bandas, naquela época, e que é visível em "meos cumpaero", que até podemos admitir seja uma forma arcaica da língua, sua herança daqueles tempos, embora nos idos do arcaísmo, já existisse concordância.

É claro que não desceu das caravelas levantando a bandeira da Ordem de Cristo, nem a do reino português, nem como auxiliar do escrivão da frota. Esta última hipótese, descartada, por absoluta incompetência, já que a Carta, do culto Caminha, é um belo registro de tomada de posse.

Você foi, sim, um daqueles enviados pela justiça lusitana como degredado que, para não perder a cabeça nas ultramarinas terras, preferiu a opção que a Coroa lhe ofereceu: prevaricar no desconhecido Pindorama.

Daí o legado malévolo da corrupção desenfreada que lhe turva a alma e domina esta terra. Só pode ser esta a explicação para a endêmica doença moral que você e "seos cumpaero" semearam no País.

*Dr.ª em Língua Portuguesa e membro da Academia Brasileira de Defesa

 

 

Registre-se para poder enviar comentários

Free premium joomla themes designed by Lonex.