Caso do aeroporto PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 3
PiorMelhor 
Política

Por Augusto Nunes, na VEJA em 04 Ago 2014

Em 2 de agosto, no noticiário sobre a escala em Montes Claros da trupe governista, a Folha de S. Paulo expôs na vitrine o lixo despejado pelo palanque ambulante e escondeu a vassoura finalmente sobraçada por um oposicionista de alta patente. "Dilma e Lula ironizam Aécio por ter feito aeroporto em terra de tio", berrou a manchete da página A6. Três dias antes, num artigo publicado no mesmo jornal, o candidato do PSDB à Presidência admitiu ter usado quatro ou cinco vezes o aeródromo de Cláudio, reconheceu que deveria ter verificado previamente a situação legal da pista e, de novo, provou que não cometeu nenhuma irregularidade.

Alheios às explicações de Aécio, o enviado especial e o editor abriram a reportagem com a transcrição sem ressalvas do palavrório de Dilma. "Nós aumentamos a capacidade dos aeroportos em 67 milhões de passageiros e ninguém ficou com a chave desses aeroportos", elogiou-se a supergerente de araque que só improvisou puxadinhos, enxerga multidões inexistentes nos saguões, inventou a privatização com codinome, entregou a empreiteiros amigos as chaves dos principais aeroportos e mantém engavetados os 800 novinhos em folha que prometeu inaugurar ainda em 2014.

O desfile de fantasias, insultos insinuados e bazófias difamatórias prosseguiu com a reprodução de um trecho da entrevista de Lula à Gazeta do Norte de Minas: "O Estado não pode ser tratado como propriedade para benefício de uma família", provocou o ex-presidente ao comentar o "caso do aeroporto". Mesmo para a oposição mais gentil da história republicana, passou da conta a aula de ética proferida pelo pai do Lulinha e provedor de Rosemary Noronha. Só então, pela primeira vez desde a divulgação parcial das maracutaias descobertas pela Polícia Federal em novembro de 2012, o oportunista que vive confundindo o público e o privado foi confrontado com o escândalo que protagonizou ao lado de Rosemary Noronha.

Sem identificar pelo nome e sobrenome a larápia que o então presidente transformou em segunda-dama, chefe do escritório paulista da presidência e passageira clandestina do AeroLula, o ex-deputado Pimenta da Veiga cutucou a fratura exposta. "Misturar assuntos pessoais com assuntos de governo não é prática do PSDB", advertiu a nota oficial divulgada pelo candidato do PSDB ao governo mineiro, antes da frase que merecia virar manchete de primeira página em todos os jornais que prezam a inteligência dos leitores: "O presidente perdeu mais uma boa oportunidade para dar as explicações que o Brasil aguarda há muito tempo sobre pessoas da sua intimidade".

A Folha confinou o merecidíssimo revide em dois parágrafos. O Globo e o Estadão, que também destacaram o lixo, não concederam uma única e escassa linha à vassoura desfraldada por Pimenta da Veiga. É hora de trocar mensagens em código por recados com todas as letras. Os oposicionistas sem medo precisam deixar claro que Lula deixou de ser inimputável. A licença para pecar ultrapassou o prazo de validade. Como registra o post reproduzido na seção Vale Reprise, faz exatamente 619 dias que o chefão da seita foge de pelo menos 40 perguntas vinculadas ao caso Rose. Faz mais de um ano e meio que a oposição e os bravos rapazes da imprensa se dispensam de perguntar o que não tem resposta.

Durante 10 dias, repórteres dos três maiores diários brasileiros exigiram que Aécio Neves revelasse quantas vezes utilizara o "aeroporto" de Cláudio. Agora que desvendaram o segredo, os sherloques especializados em mistérios da aviação civil têm tempo de sobra para investigar o enigma muito mais relevante. Para facilitar o trabalho dos repórteres, a coluna sugere dez perguntas que envolvem a dupla Lula e Rosemary.

1. Quantos vezes o Aerolula decolou com Rosemary Noronha a bordo?

2. Quais os motivos da inclusão de Rose na comitiva presidencial em pelo menos 20 viagens internacionais?

3. Por que foi contemplada com um passaporte diplomático?

4. Quem autorizou a concessão do passaporte?

5. Por que o nome de Rosemary Noronha nunca apareceu nas listas oficiais de passageiros do avião presidencial divulgadas pelo Diário Oficial da União?

6. Quem se responsabilizou pelo embarque de uma passageira clandestina?

7. Por que Marisa Letícia e Rose não eram incluídas numa mesma comitiva?

8. Quais eram as tarefas confiadas a Rose durante as viagens?

9. Todo avião utilizado por autoridades em missão oficial é considerado Unidade Militar. Os militares que tripulavam a aeronave sabiam que havia uma clandestina a bordo?

10. Como foram pagas e justificadas as despesas de uma passageira que oficialmente não existia?

Não é tudo. Mas já basta para autorizar a decolagem rumo à verdade.

Veja como publicado:

http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/depois-de-esclarecido-o-caso-do-aeroporto-os-sherloques-da-imprensa-especializados-em-misterios-da-aviacao-civil-tem-tempo-de-sobra-para-investigar-as-viagens-clandestinas-de-rosemary-noronha-a-b/

 

 

Registre-se para poder enviar comentários

Free premium joomla themes designed by Lonex.